DARLWYNE – a tragédia esquecida de 1966

arquivo – NaufrágiosDARLWYNE – a tragédia esquecida de 1966

Trinta e uma pessoas morreram ao largo da Cornualha quando um barco impróprio para navegar desapareceu, mas no rescaldo da vitória da Inglaterra no Campeonato do Mundo as manchetes também desapareceram. Cinquenta anos depois, MARK MILBURN partiu em busca dos destroços

ÀS VEZES AS COISAS PODEM surpreender você. Algo chama sua atenção e você pode até se perguntar como não percebeu.
Um dia, em maio deste ano, estávamos almoçando na marina entre os mergulhos quando um cara da escola de vela apareceu. Ele tinha acabado de levar para o mar um jornalista interessado nos acontecimentos em torno da Copa do Mundo de Futebol de 1966 – aquela que a Inglaterra realmente venceu.
O jornalista queria visitar alguns dos lugares onde o Darlwyne esteve. Eu já tinha ouvido falar do Darlwyne? Eu não tinha.
Ele explicou o que sabia da história. Há cinquenta anos, em 31 de julho, este barco de recreio partiu de Mylor para Fowey, sobrecarregado e impróprio para estar na água. Os passageiros passaram o dia em Fowey e o Darlwyne partiu de volta para Mylor.
Os ventos mudaram de direção, então seria uma viagem difícil para qualquer barco.
Algumas pessoas disseram que o viram abrindo caminho, mas ele nunca mais voltou. Desapareceu sem sobreviventes.
O homem da escola de vela também nunca tinha ouvido falar do Darlwyne antes de sair com o jornalista. O cais que ele deixou ficava a apenas 100 metros da escola de vela, mas isso foi antes de Mylor ser o porto de iates que é agora.
Ele também mencionou um livro de Martin Banks chamado The Mysterious Loss of the Darlwyne: A Cornish Feriado Tragédia.
Não encontrei nada em destroysite.eu, então criei um registro para o Darlwyne.
Usando o Google encontrei o relatório original da Junta Comercial, que era bastante detalhado, mas para resumir:

• O Darlwyne não estava em condições de ir para o mar;
• Havia muito pouco equipamento de segurança e nenhum rádio;
• Tinha capacidade para 12 pessoas, mas transportava 31 pessoas;
• A previsão do vento mudou entre a saída de Mylor e a viagem de regresso;
• Darlwyne era um barco de madeira de 25 anos, ex-almirantado;
• Tinha 13.5m de comprimento e 3.5m de boca e pesava 12.35 toneladas;
• Possuía dois motores diesel Perkins P6 e foi reequipado;
• Houve uma grande busca aérea e marítima, mas apenas alguns destroços foram recuperados;
• Ninguém sobreviveu;
• Os 12 corpos recuperados eram de pessoas que morreram por afogamento em águas profundas.

FIQUEI IMPRESSIONADO pela enorme perda de vidas num incidente relativamente recente que, ocorrido no dia seguinte à vitória no Campeonato do Mundo, foi de alguma forma ignorado. Tivemos que tentar encontrar esse naufrágio.
O relatório da Junta Comercial afirma ainda que 912 objetos foram identificados pela Marinha Real, que esteve envolvida nas buscas, e que mergulhadores investigaram 142 deles. A Inglaterra histórica localizou no Arquivo Nacional os registros que precisávamos ver. Ao soletrar Darlwyne como “Darlwin”, encontrou vários outros relatórios.
As pesquisas do Google também revelaram uma entrevista recente com um membro da equipe da RNLI que havia pesquisado na época.
Nós o conhecíamos, um pesquisador naval local e piloto aposentado.
O Darlwyne seria um alvo pequeno para se encontrar em uma área de fundo marinho predominantemente rochoso. Um especialista nos disse que precisaríamos de um magnetômetro de césio colocado a 6 metros do fundo para localizar os motores relativamente pequenos dos barcos, que pesavam cerca de meia tonelada cada.
No entanto, este não seria um método prático, porque o rebocador de césio provavelmente seria danificado ou perdido entre as rochas e pináculos.
Com profundidades potenciais de até 60 m, o sonar de varredura lateral seria melhor, embora com aquele fundo marinho rochoso quaisquer resultados provavelmente não fossem claros.
Sem quaisquer avistamentos reais da embarcação, a área a pesquisar era demasiado grande, especialmente tendo em conta a profundidade da água. A área em que os destroços e os corpos foram encontrados tinha 10 quilômetros de extensão e possivelmente XNUMX a XNUMX quilômetros mar adentro.
O relatório concluiu que o Darlwyne havia afundado na área de Dodman Point. O recife está sujeito a marés fortes e quedas regulares de marés – ondas causadas por fortes correntes no pico do fluxo das marés. Sob a água existem muitas rochas e fendas.
Nick, um de nossa equipe, fez um pedido de informações em uma estação de rádio local. Alguém que havia trabalhado em uma draga de vieiras ligou para dizer que durante a década de 1980 seu barco havia arrastado uma popa de madeira com o nome Darlwyne de uma ravina SSW de Dodman Point, a um alcance de um terço de milha.
Num outro relatório, um barco de pesca tinha arrastado um eixo de transmissão e uma ou duas hélices cerca de três quilômetros a sudoeste do Dodman. Os itens foram deixados no cais de Mevagissey para identificação do Ministério da Defesa.
Segundo o relatório, os inspetores confirmaram que eram do Darlwyne, mas parecia não haver registro oficial da visita. Como o Ministério da Defesa identificaria o Darlwyne pelas hélices quando ele tivesse sido reequipado e equipado com hélices menores?

PESCADORES LOCAIS também descobriu a localização de um naufrágio de madeira não identificado, muito perto de onde a popa foi supostamente rebocada. Esses locais também estavam em uma ravina larga, na qual um naufrágio poderia facilmente ser perdido pelos métodos normais de detecção de superfície.
Então teríamos que tentar uma busca liderada por mergulhadores na ravina. Se uma traineira tivesse passado pelos destroços, qualquer madeira restante seria espalhada.
Os motores e o lastro poderiam estar em qualquer lugar, então teríamos que procurar por algo que não combinasse com o ambiente. Pode haver pequenos objetos de ferro ou aço corroídos, os motores, âncoras ou mesmo os conjuntos de granito (blocos quadrados de granito para pavimentação) adicionados para lastro extra depois que o Darlwyne foi reequipado.
Nenhum destes eram alvos grandes e tudo, excepto os blocos de granito, estaria incrustado, pelo que teria de ser uma busca lenta e cuidadosa.
Saímos de Mylor e seguimos para o Dodman. Tínhamos planeado um dia com ventos offshore e marés mortas – o Dodman tem algumas correntes notórias e precisávamos do menor número possível delas.
Andamos o barco para cima e para baixo e, usando uma combinação das cartas eletrônicas mais recentes e de maior resolução do plotter e do nosso ecobatímetro, estudamos o fundo do mar.
Nosso ecobatímetro possui um “downscan” de alta definição que faz parte de seu sistema de imagem lateral, com uma função de tela dividida múltipla para mostrar o downscan ao lado das imagens de varredura lateral, exibindo
os gráficos e o sonar simultaneamente.
Usamos nosso plotter de backup para os gráficos uma vez no local.
A ravina que estávamos observando nas cartas tinha fundo rochoso com uma faixa de areia que não seria larga o suficiente para uma dragagem de vieiras, então continuamos a busca.
A única outra ravina que correspondia à informação que nos foi dada ficava no lado norte de um recife conhecido como Bellows. Este era muito maior, com 400 metros de largura e mais de 800 metros de comprimento, estendendo-se até ao mar. Seria necessária muita pesquisa e não encontramos nada em nossos aparelhos eletrônicos além do fim do barranco.

NO NOSSO PRIMEIRO DIA de mergulho, cinco de nós fizemos dois mergulhos cada. O primeiro par atravessou diagonalmente a ravina, marcando os pontos de entrada e saída no plotter cartográfico e procurando vieiras e marcas de redes de arrasto para confirmar que a ravina se enquadrava nos critérios, o que aconteceu.
O segundo grupo seguiu até a beira da ravina, na esperança de encontrar algo que tivesse caído das bordas das redes de arrasto. Foi encontrado um bloco de granito, com lados em torno de 30 cm de comprimento, portanto maior que um conjunto de granito. Os registros continham conjuntos de granito, mas qualquer coisa poderia ter sido usada. Nada mais foi encontrado e voltamos para Mylor.
Decidimos que da próxima vez tentaríamos encontrar o fim das marcas de arrasto, onde as dragas teriam parado e voltado por causa das rochas ou de uma mudança no fundo do mar. Partes dos destroços podem ter sido depositadas ali, após serem arrastadas.
Algumas semanas depois voltamos. O tempo estava bom, mas a maré ainda estava bastante rápida quando chegamos. Decidimos deixá-lo fazer o trabalho e entramos na água em um fundo marinho rochoso. A maré levar-nos-ia até ao areal, onde esperávamos encontrar o fim das redes de arrasto.
Logo nos deparamos com uma área coberta de pedras. Era o que estávamos procurando. Havia rochas de todos os tamanhos, vários pedaços de concreto e ferro incrustado, todos difíceis de distinguir das rochas naturais. A maré nos empurrava rapidamente e fomos rapidamente arrastados para longe.
Chegamos ao terreno das vieiras em areia grossa, e poderíamos ter terminado o mergulho ali e esperado a maré parar, mas já estávamos no fundo e a vista era boa, então decidimos continuar.
Após cerca de 45 minutos, encontramos linhas muito baixas no fundo do mar. Ao me aproximar, pude ver que era aço ou ferro, parcialmente incrustado e parte com aparência enferrujada. Olhando em volta, pudemos ver mais itens – uma âncora de pescador, alguma madeira carcomida e alguma madeira recentemente exposta.
Havia também um grande pedaço que parecia um guincho, além de alguns outros objetos de ferro ou aço. A corrente ainda estava correndo, então tirei algumas fotos da melhor maneira que pude antes que ela me levasse embora. Comecei então minha subida, pois precisava avisá-los no barco. A maré parou durante a nossa subida.

EU DISSE A TODOS no barco o que eu tinha visto e fotografado, e eles ficaram entusiasmados. Lançamos uma linha de tiro onde pensávamos que estavam os destroços, permitindo que eu tivesse saído do local antes que a maré parasse.
O próximo grupo planejou fazer uma busca circular tendo a linha de tiro como ponto de partida. Eles desceram e procuraram, mas não encontraram nada.
Se eu tivesse encontrado o Darlwyne? O local foi descrito pelos pescadores que haviam subido com arrasto até a popa – áreas de vieiras que obviamente haviam sido dragadas no passado.
O rumo de Dodman Point era quase exatamente como descrito, embora a distância fosse exagerada. Muitas vezes descobrimos que é difícil acertar as distâncias no mar, pois mares sem fim não têm referências.
Do local, tanto Hemmick Beach quanto Portloe eram visíveis, e havia testemunhas oculares de ambos os locais no momento do naufrágio.
A propagação do material visível ocorreu em uma área dentro das dimensões do Darlwyne. A âncora era do tipo carregado e do tamanho certo.
Havia algumas madeiras expostas, embora esperássemos ver muito pouca madeira restante. Haveria várias peças de ferro e aço, incluindo os turcos do barco, instaladas a bordo, o que poderia explicar os pedaços aleatórios de aço incrustados espalhados pela área.
Nenhum outro possível naufrágio na área era conhecido pela Inglaterra Histórica ou por nossos outros recursos. A menos que voltemos à busca pelos motores, o que pode levar dias ou semanas, nunca saberemos com certeza.
Os motores poderiam ter sido arrastados e sucateados a qualquer momento, e os conjuntos de granito misturados com pedras na ponta da rede de arrasto ou a quilômetros de distância no mar.
Levando tudo em conta, é provável que o que encontramos tenha sido o que restou do Darlwyne.

O DARLWYNE foi uma busca especial em vários aspectos. O navio afundou até hoje, com parentes próximos dos mortos ainda vivos. Havia planos para um serviço de comemoração de 50 anos com o Bispo de Truro e parentes sobreviventes na igreja de Mylor.
Tivemos muito pouco tempo para a nossa busca – os ventos e as marés fizeram a sua parte e só tivemos até 31 de Julho para encontrar os destroços. Naquele que foi quase o último mergulho do último dia adequado antes do início do serviço, encontrei um naufrágio desconhecido.
Foi o Darlwyne? Talvez nunca saibamos, mas um serviço comemorativo ocorreu acima dos destroços que encontramos, o que pode pelo menos dar algum encerramento às famílias.

Apareceu em DIVER em novembro de 2016

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

1 Comentário
Mais votados
Recentes mais velho
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Leonardo Barton
Leonardo Barton
dias 6 atrás

Eu estava em um caçador de minas da Marinha Real, HMS Iveston, em 1967, quando procuramos pelo tge Darlwyne. Descobrimos que o fundo do mar se aprofundou gradualmente e permaneceu relativamente raso por cerca de 1500 anos, depois desceu abruptamente até uma grande profundidade.
O Darlwyne partiu em mar muito agitado e com ondas fortes e teria tomado um rumo sudeste contra o vento, depois virou para entrar em Fowey.
Foi considerado que ela poderia muito bem ter sido virada ao mudar de rumo de sudeste para norte e atingida de lado por uma grande onda.
Planejamos aeronaves da Segunda Guerra Mundial, rochas perigosas que não foram mapeadas e muitos outros perigos potenciais, mas não encontramos nenhum sinal do iate, retornando finalmente a South Queensferry após exaustivas buscas por sonar e mergulhadores.
Acabei me mudando para a Cornualha em 1995, onde permaneci até me mudar para a França em 2006.

Entre em contato

1
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x