Naufrágios esquecidos da Primeira Guerra Mundial

Mergulhadores nos destroços do Gallia.
Mergulhadores nos destroços do Gallia.

MERGULHADOR DE NAufrágios

Mergulhadores voluntários têm percorrido a costa do Reino Unido desde 2014, registrando naufrágios como o condenado War Knight e ajudando a trazer suas histórias de volta à vida. JESSE RANSLEY relata sua missão

Acima: Mapa do John Mitchell. Centro à esquerda: varredura geofísica dos destroços do Alaunia. À direita: mapa 3D do Cavaleiro da Guerra. Abaixo: modelo 3D do John Mitchell, mostrando a placa dos construtores na visita guiada.
Acima: Mapa do John Mitchell. Centro à esquerda: varredura geofísica dos destroços do Alaunia. À direita: mapa 3D do Cavaleiro da Guerra. Abaixo: modelo 3D do John Mitchell, mostrando a placa dos construtores na visita guiada.

NOS ÚLTIMOS QUATRO ANOS, arqueólogos e voluntários do Maritime Archaeology Trust (MAT) passaram 257 horas (ou, para ser mais preciso, 15,423 minutos) debaixo de água, mergulhando em naufrágios da Primeira Guerra Mundial na costa sul de Inglaterra.

Entre 2014 e 2018 fotografaram, pesquisaram e investigaram 36 locais. Eles também têm pesquisado os naufrágios em arquivos históricos e cartórios em todo o Sul.

Todo esse trabalho reuniu as histórias desses naufrágios, juntamente com as de mais de 1000 outros locais da Primeira Guerra Mundial na Costa Sul, para o “Forgotten Wrecks

do projeto da Primeira Guerra Mundial”. Financiado pela Heritage Lottery para coincidir com o centenário da guerra, o projeto investiga uma luta vital, mas em grande parte esquecida, que ocorreu diariamente.

“Tudo o que é necessário para a guerra, desde tropas e munições até alimentos, materiais e informações, é transportado por mar”, afirma Julie Satchell, Chefe de Investigação do MAT. “Mas, além das grandes batalhas navais, a guerra no mar foi em grande parte esquecida.

“Os milhares de naufrágios da Primeira Guerra Mundial nas águas do Reino Unido oferecem uma visão única da guerra, mas são cada vez mais frágeis e não foram registados.

“Através do projeto, conseguimos investigar alguns destes naufrágios no fundo do mar e relacionar esse trabalho com as suas histórias dos arquivos – e, em alguns casos. às histórias transmitidas às famílias dos sobreviventes.”

Mergulhadores voluntários foram cruciais para o projeto. “Isso não teria sido possível sem o trabalho deles ou o apoio dos clubes de mergulho do Litoral Sul”, diz Satchell. “Um dos principais objetivos do projeto era trabalhar com a comunidade de mergulho e fornecer informações e recursos para melhorar as suas experiências de mergulho em naufrágios, mas também aprendemos muito com os mergulhadores locais – toda a sua experiência e conhecimento são inestimáveis.”

A novidade do projeto online, o mapa interativo de naufrágios oferece um recurso único para mergulho recreativo no Reino Unido.

Ele conecta os resultados de toda essa pesquisa aos locais dos naufrágios, para que qualquer pessoa possa clicar nos destroços e acessar imagens subaquáticas, vídeos, modelos 3D do local e imagens geofísicas, bem como histórias de perda do navio, documentos históricos, sítio arqueológico relatórios e, em alguns casos, imagens de artefatos dos destroços.

“Tivemos uma resposta extremamente positiva”, relata Satchell. “Ouvimos falar de mergulhadores e clubes de todo o país e do exterior. Tem sido online apenas por alguns meses, por isso estamos realmente interessados ​​em saber como ele será usado pelos mergulhadores no próximo ano, mas certamente está oferecendo inspiração aos mergulhadores para explorar alguns locais de naufrágios menos conhecidos – já ouvimos falar de clubes que comecei a usar o mapa para planejar viagens de mergulho.”

Um dos primeiros locais de naufrágio mergulhou durante o projeto foi o do SS War Knight. O navio, que fica a uma profundidade de cerca de 13 metros na Baía de Watcombe, Ilha de Wight, foi perdido em circunstâncias dramáticas, mas a história desapareceu após a guerra…

Veja também: Explorando naufrágios do Báltico na Suécia

CAVALEIRO DE GUERRA

War Knight era um navio de carga armado dos EUA, que se dirigia para Londres como parte de um grande comboio em 1918. Nas primeiras horas de 24 de março, o comboio tomou medidas defensivas, operando sem luzes e depois alterando o rumo duas vezes.

Na escuridão, War Knight colidiu com o OB Jennings, um enorme navio-tanque que transportava um gás altamente inflamável. Incêndios eclodiram em ambos os navios e em toda a superfície do mar.

War Knight foi rebocado, em chamas, para águas rasas, mas atingiu uma mina. Ela acabou sendo afundada por tiros britânicos na baía de Watcombe para extinguir as chamas.

Pouco no fundo do mar sugere a natureza dramática do naufrágio ou o conecta às notáveis ​​imagens dos arquivos do Museu Imperial da Guerra do navio em chamas.

É o tipo de local por onde muitos mergulhadores passariam, com apenas a turbina a vapor erguida no fundo do mar. Mas para um dos 17 mergulhadores voluntários da equipe, War Knight se destacou.

Andy Williams tem formação em engenharia e, após a conclusão do mergulho, começou a pesquisar o motor, “um exemplo muito antigo de turbina a vapor marítima usada em um navio comercial”.

Os dados e fotografias dos mergulhos foram reunidos em um plano de fotogrametria, juntamente com um modelo 3D do motor de turbina a vapor. Williams diz que seu trabalho no projeto deu ao seu mergulho “um senso de propósito”.

Desde então, ele tem dado palestras para sociedades de engenharia, usando imagens e modelos 3D e, como ele explica, “é fascinante poder apresentar uma imagem tão notável para pessoas que trabalharam em navios a vapor há não muito tempo, que veem coisas no imagens que nenhum mergulhador jamais captaria”.

Proa do Alaunia com tábuas de convés visíveis.
Proa do Alaunia com tábuas de convés visíveis.

ALAÚNIA

Ao contrário do War Knight, nenhum mergulhador poderia passar por cima dos destroços do SS Alaunia por engano. O navio de passageiros Cunard de 165 metros, um dos maiores naufrágios do Reino Unido, fica na costa leste de Sussex. Entre os 24 e os 36m, com a proa particularmente bem preservada e a subir até aos 12m do fundo do mar, é um local de mergulho popular.

Alaunia navegou rotas da América do Norte para o Reino Unido e foi requisitado como navio de tropa durante a guerra. Foi o primeiro navio da Cunard a transportar tropas canadenses para a Europa e, em 1915, esteve envolvido no transporte da campanha de Gallipoli.

Além do transporte de tropas, Alaunia continuou as viagens comerciais e estava na rota de New York, desarmado, quando atingiu uma mina em 19 de outubro de 1916. Dois dos 165 tripulantes morreram (incluindo o aparador de 16 anos, que trabalhava na casa de máquinas).

HMD JOHN MITCHELL

Em contraste, provavelmente apenas uma dúzia de pessoas mergulharam no HMD John Mitchell. Era exatamente o tipo de navio pequeno que muitas vezes fica de fora da história da Primeira Guerra Mundial.

Como outros pescadores flutuantes construídos para manejar enormes redes de deriva em condições climáticas adversas, ele foi facilmente adaptado às tarefas de guerra. Em 1915, o John Mitchell foi armado e implantado como “navio-rede”, patrulhando redes anti-submarinas.

Os destroços agora estão a 15 milhas de Swanage, Dorset, a 40 m, tendo colidido com o SS Bjerka em novembro de 1917. O navio era um dos pelo menos 40 navios a vapor contratados pelo Almirantado e perdido apenas na costa sul.

Os destroços estão razoavelmente intactos, embora grande parte das tábuas de madeira a estibordo tenha desaparecido.

Graças a uma visibilidade incrível, a equipe do projeto conseguiu medir, vídeo e tirar milhares de fotos como parte de uma pesquisa de fotogrametria e, em seguida, reuni-las para produzir um tour completo em realidade virtual em 3D do John Mitchell.

GÁLIA

Algumas milhas a sudoeste do John Mitchell, os destroços do grande navio a vapor SS Gallia ficam a bombordo em 38-40m, a cerca de 11 milhas de Anvil Point, na costa de Dorset.

Com partes dos destroços, incluindo as placas do casco, ainda intactas, é um mergulho fascinante, mas a sua identidade nunca foi confirmada.

Gallia era um mineiro italiano que viajava de Tyne para Savonia, na Itália, em 1917. Sem aviso prévio, na tarde de 24 de outubro, foi torpedeado pelo submarino alemão UB40.

O torpedo atingiu bombordo, penetrando na casa de máquinas, e o navio afundou rapidamente. Todos, exceto um dos 27 tripulantes italianos, foram resgatados, embora dois tenham morrido logo depois.

Quando a equipe do MAT mergulhou no local em junho de 2015, teve uma visibilidade excepcional superior a 30m. Novamente a equipe pesquisou e registrou o local e produziu um modelo 3D. Com as imagens e o modelo, aliados à pesquisa histórica, o MAT confirmou a identidade do naufrágio.


AS HISTÓRIAS DESTES quatro naufrágios, embora extraordinários, também ocorreram todos os dias durante a guerra. A Alemanha tinha a intenção de comprimir as linhas de abastecimento militar da Grã-Bretanha, mas também de atingir o seu transporte mercante e de transporte.

Os mais de 1100 naufrágios na área do projecto reflectem a escala e a amplitude das embarcações perdidas durante o conflito. Incluem transatlânticos, navios de carga, traineiras de pesca, submarinos, transportadores de tropas e navios-hospitais – navais e comerciais, a vapor e à vela.

Talvez surpreendentemente, 66% dos naufrágios eram navios mercantes e 9% barcos de pesca, em comparação com 8% militares e 4% em tarefas de limpeza de minas.

Da mesma forma, muitos dos navios, como o Gallia, não eram britânicos, mas sim de todo o mundo (10% eram noruegueses, 6% alemães e 7% franceses).

Todo mundo tem uma história que vale a pena contar. Robert Morgan, um dos mergulhadores voluntários da equipa do fundo, nunca tinha estado envolvido em mergulho arqueológico antes e descobriu que o projecto o lembrava “da história e do valor dos locais onde mergulhamos… Penso que os mergulhadores por vezes precisam de ser lembrados de que os naufrágios não são apenas emaranhados de metal enferrujado no fundo do mar; eles contam uma história de indivíduos e sociedades, de outra forma esquecida, que a maioria das pessoas não tem a sorte de ver ou sentir.

“Depois que você conhece as histórias desses naufrágios, é muito difícil vê-los apenas como metal e madeira no fundo do mar. Isso muda a maneira como você os vê – e mergulha.”

Em agosto de 2018, o capitão Dave Wendes e membros da equipe MAT retornaram ao local do SS War Knight – desta vez com dois parentes dos homens que morreram na colisão, para colocar papoulas acima dos destroços.

A memória e a comemoração são fundamentais para o projeto, através da descoberta de histórias e da ligação da vida das pessoas a estes naufrágios, através de exposições, artigos e vídeos, mas também através das experiências dos mergulhadores.

Mergulhadores do projeto no barco.
Mergulhadores do projeto no barco.

Muitos dos voluntários, mesmo os mergulhadores experientes, descobriram que o projecto mudou a forma como abordavam os mergulhos em naufrágios.

“Como cinegrafista, é fácil se desligar da realidade do que aconteceu”, explica Mike Pitts. “Fico concentrado no mergulho, na minha profundidade, no ar que me resta e na melhor forma de filmar num espaço de tempo relativamente curto, mas na subida, quando deixo os destroços para trás, olho para baixo e penso nas almas que estão ainda lá.

“Em locais equivalentes baseados em terra, é raro ver as consequências de uma guerra como esta. Mas aqui, a Primeira Guerra Mundial está aberta a quem faz a viagem.”

O MAT espera que todas as pesquisas e recursos disponíveis através do mapa de naufrágios permitam que outros mergulhadores façam essa jornada. Os quatro naufrágios mencionados aqui são apenas um instantâneo dos mais de 1100 locais no mapa, que você pode encontrar no Site do projeto Forgotten Wrecks

Há muito mais histórias e possíveis mergulhos a apenas alguns cliques de distância. Se você tiver interesse em mergulhar com o MAT em projetos futuros, tornar-se amigo do trust ou conferir seus outros projetos, mais informações podem ser encontradas em CONFIANÇA EM ARQUEOLOGIA MARÍTIMA

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x