Mergulhando na história: o misterioso naufrágio do Castor

MERGULHADOR DE NAufrágios

O navio holandês do século XIX, o Castor, transportava caixotes de antiguidades quando afundou no Canal da Mancha em 19, mas existem mais estátuas aguardando recuperação? STEFAN PANIS, que voltou aos destroços neste verão, considera que é um clássico

AO PESQUISAR nos arquivos ao longo dos anos, em diversas ocasiões tropecei acidentalmente em histórias interessantes de naufrágios.

Veja também: Mergulhadores investigam antigos destroços de mármore do Mediterrâneo

Um deles foi o do navio holandês Castor, um naufrágio que imediatamente entrou para o topo da minha lista de desejos de naufrágios “a fazer”.

Em 2015 convidei o caçador de naufrágios Selçuk Kolay, da Turquia, para falar num show internacional de mergulho que organizei. Ele tinha ouvido falar da história de Castor e, através de seus contatos, obtive mais alguns detalhes valiosos para minha investigação.

Então, enquanto estávamos no Canal da Mancha no verão passado, fomos forçados pelo mau tempo a mergulhar na área relativamente protegida de Dungeness e decidimos rapidamente aproveitar a oportunidade para mergulhar no Castor. Eu estava finalmente prestes a ver esse naufrágio.

1018 rodízio2

Castor was built in 1870 in Glasgow for Koninklijke Nederlandse Stoomboot Maatschappij (KNSM) in the Netherlands. She was a screw-driven vessel with a two-cylinder compound engine, was 77m long and displaced 1360 tonnes.

In 1873 the ship was chartered by the Holland Amerika Line to take passengers across the Atlantic to America. She made 12 return voyages to New York, the last one in 1883, when she returned to operate on Mediterranean routes, carrying general cargo to Amsterdam, often from Turkey.

O cônsul holandês Van Lennep também negociou antiguidades e despachou muitos itens para museus europeus usando o KNSM. Um de seus clientes foi o Rijksmuseum em Leiden, na Holanda, e Van Lennep ajudou a construir sua coleção de itens greco-romanos.

Em 1894, 14 dessas esculturas e inscrições foram embaladas em duas caixas e enviadas do porto turco de Esmirna (hoje Izmir) a bordo do Castor.

Infelizmente, eles nunca chegaram à Holanda. O capitão JR Visser passou por Dungeness em 28 de julho em meio a um nevoeiro denso e colidiu com a barca alemã Ernst.

Atingido no meio do navio, Castor afundou, mas todos os 25 tripulantes e passageiros foram salvos e trazidos para terra.

Nenhuma tentativa de salvamento foi feita e o Castor permaneceu, junto com sua carga, no fundo do mar pelos 80 anos seguintes.

EM UM DOS MEUS PRIMEIROS Em minhas viagens a Dover, meu amigo Eddie Huzzey me colocou em contato com Colin Whyte, um dos mergulhadores do BSAC Folkestone 501 que descobriu o local do naufrágio em 1985.

Eles saíram para mergulhar em um navio a vapor desconhecido e, posteriormente, trouxeram parte da carga de mármore.

Eventualmente, os mármores foram levados ao Impulso Arqueológico de Canterbury para identificação e declarados ao Receptor dos Naufrágios. A pesquisa finalmente levou à história de Van Lennep e Castor.

Em mergulhos posteriores, os mergulhadores recuperaram algumas placas de porcelana com o monograma KNSM, comprovando a identidade do navio.

A pesquisa da correspondência de Van Lennep, preservada no Museu de Leiden, revelou uma carta contendo uma lista detalhada das antiguidades.

As duas caixas recuperadas dos destroços eram, ao que parecia, os itens menos importantes para ele, porque outra caixa contendo uma estátua completa foi descrita pelo colecionador como “impressionante!” Este e outro caso ainda aguardam descoberta.

Enquanto me dirigia para o local de mergulho, meus pensamentos estavam com Van Lennep e os dois casos restantes. Eu também estava considerando a possibilidade de que a remessa com destino ao Museu de Leiden não fosse a única e que pudesse haver mais lá embaixo.

Fiquei nervoso com a expectativa.

Quando pousei nos destroços, que ficam a cerca de 30m, pude ver Tony Goodfellow através do convés apodrecido dentro de um porão.

Parecia que tínhamos enganchado na popa dos destroços, que ainda tinha cerca de 6m de altura.

Como o casco estava se deteriorando, consegui penetrar facilmente pela popa, e Tony me mostrou caixas cheias de calcinhas (aquelas com rolhas de bola) que estavam espalhadas.

O local do naufrágio estava coberto por um leve lodo e, se eu parasse, a visibilidade seria imediatamente reduzida a zero. Recuei e continuei meu mergulho em direção à proa.

Around midships, I noticed the twin-cylinder compound engine which, surrounded as it was by fish, was a beautiful sight. A little further on I saw the remains of the bridge, and a set of boulders in front of it making a nice frame through which to take a shot.

PAUL WILKIN, QUE FOI vasculhando nesta área, sinalizou para mim. Ele me mostrou um lindo bule de prata que havia encontrado em um dos afundamentos do navio.

A limpeza e conservação posteriores revelariam que ele ostentava a crista do navio, e o item foi declarado ao Receptor dos Naufrágios.

1018 rodízio3
Caixa de madeira no porão: as bolas de gude desaparecidas de Van Lennep?

Segui em frente e cheguei aos porões logo antes da proa, onde deviam estar localizados os caixotes contendo as bolinhas de gude.

Procurei cuidadosamente por qualquer indício de madeira ou mármore, mas infelizmente não encontrei nada significativo.

Pouco antes da proa havia uma âncora sobressalente, de um lindo modelo, e outra jazia ao lado dos destroços, no fundo lamacento.

On the bow some of the superstructure was still standing, making it possible to take a look inside. After experiencing another silt-out, however, I decided it was time to head back.

Olhando para o outro lado do convés, descobri que os turcos ainda estavam lá. Lembrei-me deles pelas fotos antigas que vi do navio. Então me deparei com uma fileira de olhos mortos, uma visão assustadora!

Subi à superfície ainda sorrindo depois deste mergulho emocionante, sentindo o privilégio de visitar um local tão fantástico, cheio de história e suspense.

COLIN WHYTE DE O BSAC Folkestone 501 disse-me que todos os mármores encontrados pelos primeiros mergulhadores foram devolvidos ao embaixador turco Ozdem Sanberk como resultado da colaboração entre os governos do Reino Unido e da Turquia.

O Museu Britânico estimou seu valor em £ 25,000, e os mergulhadores receberam um prêmio de salvamento das autoridades turcas por meio do Recebedor de Naufrágios.

Os mármores estão agora expostos no Museu das Civilizações da Anatólia, em Ancara.

O tesouro restante não foi encontrado, em particular uma estátua de Nysa que Van Lennep mencionou em sua carta ao Museu de Leiden.

Em Junho deste ano organizámos uma Dover Wrexpedition, envolvendo uma equipa internacional de mergulhadores do Reino Unido, EUA, Itália e Bélgica. Mais uma vez o tempo e a visibilidade “forçaram-nos” a mergulhar no Castor, e não desiludiu. Depois de contar aos rapazes a história do navio, todos ficaram ansiosos para ir primeiro!

Descendo até os destroços, percebi que Brian Robinson e o capitão Dave Batchelor do Neptune haviam feito uma boa aposta no mergulho neste local, pois a visibilidade era a melhor que havíamos experimentado durante toda a semana.

Vi que meu amigo italiano Edoardo Pavia havia nadado com a linha em direção à proa e resolvi segui-la. Por toda parte os detalhes e acessórios do navio estavam espalhados, como os lindos guinchos, onde o amigo Kenneth Dupont parou um pouco para posar para mim.

1018 rodízio4
O cabrestante caiu do convés até o porão.

No porão, bem em frente à proa, avistei um grande cabrestante que havia caído no convés podre. Na proa, ainda bastante preservada, vi Edoardo e Eddie entrando nos porões para dar uma olhada lá dentro.

The visibility was getting stirred up, so I decided to head for the stern section. The tide had dropped and visibility was even better than before, making it possible to see the entire engine, a great sight.

Em outro porão vi restos de tábuas de madeira e devo admitir que meu coração deu um pulo. Investiguei o conteúdo, mas infelizmente eram apenas garrafas.

A maré virou e a corrente aumentou, então saudei nossos amigos americanos, que ainda estavam investigando a popa, e voltei à superfície.

Não encontramos a estátua de Nysa, mas todos concordamos que este era outro mergulho incrível no Canal.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x