Ilha das Cobras para Rhino City

MERGULHADOR AO VIVO

Três áreas remotas, três mares diferentes, uma biodiversidade incompreensível – apenas uma viagem de liveaboard poderia levar PETER DE MAAGT a visitar algumas dessas joias escondidas da Indonésia que raramente são visitadas, mas que recompensam ricamente o esforço

A Ilha Koon atua como um ímã para peixes.

Descobrindo a Ilha da Serpente

SERPENTES, POR QUE TEM QUE SER SERPENTES? Aqueles de vocês com alguns cabelos grisalhos se lembrarão da frase de Raiders of the Lost Ark.

Indiana Jones descobriu que, quando jogou sua tocha no Poço das Almas, o chão estava repleto de víboras venenosas. A maioria das pessoas recuaria diante dessa visão, mas não os mergulhadores, que muitas vezes são atraídos por esse tipo de aventura.

Bem-vindo às Ilhas Banda, uma das joias subaquáticas da Indonésia, onde as cobras não são apenas uma invenção da imaginação febril de Hollywood. Aqui você encontrará uma verdadeira ilha de serpentes!

A viagem ao vulcão Manuk

Para chegar a este local é necessário desviar-se da rota habitual de viagem e do horário de mergulho. Será que nos importaríamos de pular o mergulho da tarde para navegar em direção ao vulcão Manuk, um pequeno ponto no meio do nada?

Nosso guia turístico explica que, além disso, o capitão do nosso liveaboard, o Mermaid II, pode decidir dar uma volta no meio da noite e ir para as ilhas Banda. Os mergulhadores ficam em dúvida: por que pular um mergulho na paradisíaca Misool?

Nosso guia insiste que o Vulcão Manuk é considerado uma opção apenas em condições climáticas favoráveis. O mar agitado e o fato de estar pelo menos 100 milhas náuticas fora do itinerário normal tornam-no menos atraente para os operadores. Ela enfatiza que seria uma experiência a ser valorizada.

O grupo concorda, com alguma hesitação, em fazer a viagem paralela. Mal sabemos o que nos reserva.

Primeiros encontros com as cobras marinhas chinesas

Na manhã seguinte, acordamos com o cheiro de enxofre e vemos o vapor escapando do vulcão de médio porte. É habitado por várias grandes colônias de pássaros. À primeira vista, Manuk parece ser apenas mais uma ilha vulcânica longe do contacto humano.

O nosso primeiro mergulho nestas águas revela características de uma zona vulcânica; podemos ver as bolhas surgindo entre as rochas. Então noto algo nadando da superfície em minha direção: uma grande cobra marinha chinesa.

Logo é acompanhado por outro e outro. De repente, percebo que eles estão por toda parte – cochilando entre os corais, nadando para cima para respirar, brincando no meio da água.

Devo ascender? “Cobras, por que tinham que ser cobras?” A fuga parece impossível, enquanto tento lembrar o que o briefing recomendava para manobras evasivas. Não me lembro, mas logo fica claro que essas cobras marinhas não são agressivas.

Na verdade, eles parecem gostar de se aproximar furtivamente de nós por trás e nadar entre nossas pernas. Simplesmente não podemos evitá-los se quiserem nos inspecionar.

Embora haja muito para ver, incluindo cardumes de barracudas e enormes esponjas-barril, as cobras marinhas são claramente as estrelas do espetáculo.

POR QUE ESTA ILHA PEQUENA tem uma população tão grande – milhares de cobras marinhas chinesas juntamente com uma estranha cobra marinha com faixas?

Quem se importa! Estamos no meio de um episódio do Planeta Terra, a matéria de que são feitos os pesadelos.

Ilha Koon: revelando um ímã de peixe subaquático

Manuk não é a única joia subaquática que visitamos em nosso itinerário Raja Ampat / Banda Sea / Ambon. Se você estiver disposto a deixar os sinais de celular para trás, pode visitar a Ilha Koon, um monte submarino na parte sudeste de Seram. A cerca de 100 milhas náuticas da civilização, a Ilha Koon irá libertar o explorador que existe em você.

0817 ambon raja ampat
Raja Ampat é difícil de superar em termos de recife deslumbrante e imaculado com sua sobrecarga visual de corais.

Um planalto com declives que parecem funcionar como um ímã para peixes, a ilha tem um local apropriadamente chamado de Too Many Fish. Você pode imaginar o que encontramos. O recife tem formato de ponta de flecha e as correntes vindas de ambos os lados agregam grandes cardumes de peixes, logo na ponta.

Viagem de volta às Ilhas Banda

Infelizmente, a corrente “sempre presente” não está tão presente como o termo pode sugerir quando chegamos. Vemos muitos cardumes de barracudas, fuzileiros, macacos e peixes-morcego, mas a falta de corrente torna mais fácil para eles se movimentarem pelo recife, então eles são um pouco ariscos, fazendo bem fotografia um desafio.

No entanto, tudo está presente em abundância. O recife nas águas rasas é saudável e vibrante com vida, como tartarugas comendo grandes partes do recife. O bodião Napoleão entra e sai de vista e os peixes-porco protegem seu território.

Grandes jardins de corais duros podem ser vistos, e vários pequenos bonsmies formam um esconderijo perfeito para moreias. Como o tempo pode mudar rapidamente nesta parte do mundo, somos forçados a regressar, com sentimentos contraditórios, às Ilhas Banda.

Explorando a História das Ilhas Banda

Estas pequenas e remotas ilhas oferecem muito mais do que mergulho. Eles tiveram uma história longa e fascinante. O seu impacto na Europa foi imenso, porque estavam no centro do comércio de especiarias – antigamente eram conhecidas como Ilhas das Especiarias.

A região foi ocupada por Portugal, Espanha, Holanda e Grã-Bretanha em vários momentos, mas eram os comerciantes holandeses e britânicos que pareciam ter a fome mais insaciável por especiarias.
Embora os holandeses dominassem a maioria das ilhas, o comerciante britânico James Lancaster tomou posse de uma única ilha de Banda para quebrar o seu monopólio. A rivalidade foi resolvida por um momento significativo na história; uma troca de propriedade daquela “Ilha Run” conquistada pelos britânicos com a holandesa New Amsterdam – agora mais conhecida como New York.

Assim, fazemos um esforço e passamos uma manhã a passear pela aldeia de Banda Naira com um guia local, e visitamos o museu local, o antigo forte holandês, a casa do governador colonial e o mercado de peixe.

Se você quiser dar tudo de si, o café da manhã em uma plantação de noz-moscada é obrigatório.

Locais de mergulho nas Ilhas Banda

MUITOS DOS LOCAIS DE MERGULHO ao redor das Bandas há mergulhos em paredes cobertas por enormes gorgônias, corais moles e esponjas-barril. Run Island tipifica o mergulho. Graças ao seu afastamento, Run e a pequena ilha de Nailaka oferecem recifes excepcionais e grandes quantidades de peixes.

O recife desce suavemente até aos 5m e transforma-se numa parede que desce até aos 30m. A parede é coberta por belos corais com alguns leques marinhos enormes, uma variedade de peixes de coral coloridos e várias saliências para explorar.

Mas também existem outros locais atrativos como Pohon Mering, que tem um declive acentuado e um percurso retilíneo e espaçoso de 15m de comprimento cheio de gorgónias que termina junto a uma bela parede coberta de leques e enormes esponjas.

Batu Kapal é uma rocha saindo da água ao norte de Pulau Pisang. A formação maior começa aos 8m e está conectada à formação seguinte mais profunda aos 15m. A profundidade do vale formado entre eles ultrapassa os 50m, e enormes gorgônias e esponjas-barril crescem nas paredes coloridas.

Algumas das maiores moreias que já vi podem ser encontradas saindo de buracos, e as grandes esponjas-barril abrigam espécimes particularmente enormes.

O Mar da Banda também proporciona excelentes mergulhos, inclusive com peixe mandarim no cais local, onde os mergulhadores podem testemunhar as suas atividades diárias de acasalamento.

Encontrando Ambon: Critter Heaven

Eu não classificaria Ambon, onde termina a viagem, como uma “joia raramente mergulhada”, mas é especial por si só. Os nomes de certas espécies de peixes, como o peixe-escorpião Ambon e o peixe-cardeal Ambon, sugerem o porquê. Alguns mergulhadores vão até lá apenas para ver o peixe-rã psicodélico recentemente descoberto.

Falando sem rodeios, Ambon é o paraíso das criaturas. Os locais mais interessantes ficam às margens da enorme Baía de Ambon.

A topografia subaquática é típica do mergulho em lama: pneus velhos, metal, sandálias de plástico, garrafas de cerveja e todo o resto de lixo que pode ser atirado ao oceano.
A verdadeira sujeira pode ser encontrada no porto de Laha, onde os locais têm nomes inequívocos como Laha I, Laha II, Laha III e assim por diante. Laha é o mais sujo dos mergulhos, e entre cada pedaço de entulho deste ferro-velho você pode encontrar joias vivas.

O LOCAL CONSISTE EM UMA INCLINAÇÃO começando com apenas alguns metros de profundidade, coberto por alguns corais simples quebrados e substrato de entulho.
Ao vasculharmos o fundo, deparamo-nos com tudo, desde prodígios a cavalos-marinhos, desde camarões arlequim a peixes-cachimbo fantasma, diversas espécies de peixes-diabo e numerosos nudibrânquios coloridos.

0817 ambon banda mar
Vários locais de mergulho no Mar de Banda oferecem túneis e passagens espetaculares com corais e leques crescendo por toda parte.

No cais, mais perto do porto de Laha, atracam barcos de pesca pintados em cores vivas. Polvos imitadores e chocos extravagantes escondem-se entre tábuas de madeira, latas e até cadáveres de peixes jogados ao mar pelos barcos.

Os mergulhos noturnos têm reputação própria. Assim que anoitece, o local se transforma. Criaturas de aparência bizarra emergem de seus esconderijos diurnos para vagar pelo fundo do mar, nadando livremente ou rastejando pela areia em busca de presas.

Num único mergulho, vi mais criaturas do que poderia ser escrito em uma lousa subaquática; um par de camarões arlequim devorando um pedaço de estrela do mar, vários cavalos-marinhos, Pato Donald e camarões saron marmorizados. Até descobrimos um camarão “não descrito” que era novidade para nossos guias de mergulho.

Para variar do mergulho na lama, você pode mergulhar nos destroços do Aquila (originalmente o Duque de Esparta), identificado em 2009.

Com 134m e boca de 17m, a embarcação oferece aos mergulhadores muito espaço para explorar, mas é relativamente profundo, pois o convés de proa começa a cerca de 30m.

Também não espere uma visibilidade incrível, pois o naufrágio fica próximo ao porto e no meio da rota marítima, mas está coberto de coral rosa que atrai centenas de espécies de peixes.

Explorando a cidade do rinoceronte

ALGUMAS HORAS DEPOIS ESTAMOS DE VOLTA sobre o que realmente é Ambon, mergulhar no lixo, mas parece que nossos guias guardaram um de seus tesouros para nosso último mergulho – Rhino City.

Este local fica a oeste de Laha e é uma extensão da mesma encosta arenosa e abriga uma enorme variedade de criaturas.

Poderia facilmente ter sido chamado de Laha X+1, mas recebeu o nome do peixe-escorpião Rhinopias.

Encontramos não uma, nem duas, mas três Rinopias. Primeiro vemos um vermelho, depois um rendado e, o destaque, um “verde”. Não está claro por que este animal é chamado de verde, porque parece conter todas as cores do arco-íris.

Este local espetacular ainda não chegou à nossa cabeça quando 15 chocos passam juntos. Segundos depois, nosso guia precisa combater um ataque de peixe-porco: o grande final de uma viagem repleta de maravilhas culturais, históricas e naturais.

Conclusão

Os guias sublinham diversas vezes que a viagem abrange o mergulho em três zonas completamente diferentes – Raja Ampat, Mar de Banda e Ambon – e três mares completamente diferentes: Halmahera, Ceram e Mar de Banda. Eles enfatizam que “a biodiversidade deveria ser incrível”.

Mas à medida que a viagem se desenrola, mal temos tempo para pensar em detalhes teóricos, como o facto de os três mares terem estações diferentes e níveis de plâncton correspondentes. Estamos muito ocupados olhando para o “pigmeu do Papai Noel” ou mergulhando à noite para procurar os endêmicos tubarões dragonas “ambulantes”.

Esqueça a teoria, divirta-se e aproveite cada segundo mergulhando nessas joias subaquáticas.

ARQUIVO DE FATOS

COMO CHEGAR> O Mermaid II sai de Sorong ou Ambon (ida e volta), então voe para qualquer um deles via Jacarta. As transferências do aeroporto para o porto ficam a uma curta distância de carro em ambos os casos.

MERGULHO E ALOJAMENTO> O Mermaid II é um iate a motor de aço com motor duplo de 32 m, que acomoda 16 convidados em oito cabines de luxo com banheiro privativo e duas em uma cabine econômica, todas com ar-condicionado. São servidas refeições tailandesas e ocidentais em estilo buffet. A Mermaid oferece viagens em três mares apenas algumas vezes por ano, portanto, é recomendável reservar com bastante antecedência, live aboards de sereia

QUANDO IR> Geralmente as viagens acontecem por volta de fevereiro/março ou novembro, quando as condições climáticas são favoráveis.

DINHEIRO> Rupia indonésia.

PREÇOS> A Divequest vende a viagem de 11 noites para Ambon, Banda Sea e Raja Ampat a partir de £ 3615 por pessoa em uma cabine econômica no Mermaid II. Os voos do Reino Unido provavelmente custarão a partir de £ 1100 por pessoa, férias de mergulho divequest

INFORMAÇÕES DO VISITANTE> viagem indonésia

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x