DIREITOS DO SUL – O que poderia dar errado?

arquivo – Baleias e Golfinhos DIREITOS DO SUL – O que poderia dar errado?

MICHAEL AW se encontra em uma profunda confusão enquanto persegue a foto perfeita da baleia franca austral - é uma pena que eles gostem dela tão verde e escura!

EM MAIO DE 2015 Estive na África do Sul em busca de tubarões, sardinhas e pinguins. Uma noite, o fotógrafo residente da vida selvagem, Jean Tresfon, telefonou-me para perguntar se eu estaria interessado em fotografar um grupo de baleias francas austrais que tinham permanecido na costa oeste da África do Sul desde o inverno anterior.
O Papa é católico? As estrelas pareciam se alinhar quando Rainer Schimpf, meu agente local, agilizou um pedido de licença ao Departamento de Agricultura, e nos foi concedido durante a noite.
Armado com minha permissão para interagir com as baleias debaixo d'água, voei para a Cidade do Cabo. Alguns amigos, Michael Valos e Gary Peart, juntaram-se a mim nesta aventura muito especial.
Era uma manhã tranquila, com céu azul e um mar plano como um espelho, quando encontramos nossas baleias, a 300 metros da costa. Levamos apenas cinco minutos. Baleias pareciam estar surgindo por toda a baía, e eu pensei que isso era bom demais para ser verdade.
Preparando-me para enfrentar um mamute de 50 toneladas, deslizei no caminho de uma baleia a menos de 10 metros de distância e nadei furtivamente em direção a ela. Eu nadei e nadei. Onde estava aquela baleia?
Eu sei que as baleias francas são pretas, mas ainda assim, como poderia não ver um gigante colossal de 13 metros de comprimento bem à minha frente?
Estendi a mão – e percebi que mal conseguia ver os dedos! A água era escura, turva, verde e fria. A visibilidade era de apenas 25 cm!

AGORA TENHO CERTEZA você pode sentir minha frustração – céu lindo, mar calmo, baleias por toda parte, mas simplesmente não conseguíamos vê-las debaixo d’água, mesmo que elas estivessem bem na nossa frente.
For the next hour, we scouted around the bay for clearer waters. As I looked back towards the city skyline, I saw whales frolicking against a backdrop of high-rise office towers and apartments nestled at the base of Signal Hill (a flat-topped hill in the shape of a lion’s rump) and Table Mountain.
Avistei vários parapentes coloridos decolando da montanha para descer sobre esta megalópole do século 21 e disse para mim mesmo: “Cidade do Cabo, que cidade maravilhosa!”
Foi então que Jean interrompeu meus pensamentos, apontando para uma mancha marrom e nublada no mar, e nos esclareceu sobre o que era o emissário da saída de esgoto de Green Point, a apenas um quilômetro e meio da costa. A saída de “águas profundas” tem 30 m de profundidade e libera diariamente de 30 a 40 milhões de litros de esgoto não tratado na baía.
O cheiro de esgoto estava ao nosso redor. “Afinal, esta cidade maravilhosa não é tão maravilhosa”, pensei, “especialmente quando sopra o vento oeste”. O cheiro desse esgoto é levado de volta para a cidade. Ah, a fragrância de Table Bay!
Então lá estávamos nós, rodeados de baleias francas, mas no lugar errado.
Depois de mais uma hora enfurecedora de tentativas inúteis, a sorte veio na forma de
um pacote pequeno e branco. Bem, cerca de cinco toneladas pequenas – foi um encontro raro com um tigrado juvenil!
Apenas 2% das baleias francas austrais nascem brancas e são, em sua maioria, machos. Este jovem era barulhento, curioso e amigável. Ele continuou se aproximando do nosso barco, fazendo passes repetidas vezes. Interpretámos isso como um convite para jogar e, claro, aceitámos sem hesitar.
Embora as condições de trabalho continuassem desafiadoras, o fato de ser branco com manchas pretas tornou esse jovem um pouco mais fácil de focar e filmar, uma vez muito próximo. Ele certamente era a baleia “certa” para atirar em águas verdes e escuras.
Em uma ocasião, ele subiu à superfície bem na minha frente. Ele ficou por um bom tempo, fazendo inúmeras passagens até que sua mãe chegou e chamou seu filho brincalhão para longe.

PELOS PRÓXIMOS CINCO DIAS, encontramos as baleias todos os dias em condições climáticas perfeitas, mas sempre com uma visibilidade atroz da água quase nula.
No entanto, tive muita sorte de estar no oceano com os misteriosos direitos do sul, e ainda mais sorte de ter encontrado o raro e brincalhão jovem branco, mas ainda não terminei e pretendo voltar.
Depois de terem sido caçadas quase até à extinção, as baleias francas, embora protegidas em todo o mundo desde 1935, continuam a ser a mais rara das espécies de baleias. Eles estão se recuperando, mas muito lentamente.
In the whaling era, whalers named them the “right” whale to kill, because they’re slow swimmers and, because of the bulk of their blubber, float when dead.
Eram também as espécies preferidas porque cada baleia fornecia enormes quantidades de produtos valiosos – especialmente óleo para luzes e lubrificação.
Os cientistas classificaram duas espécies do Hemisfério Norte – a baleia franca do Pacífico Norte (Eubalaena japonica) e a baleia franca do Atlântico Norte (Eubalaena glacialis).
A baleia franca austral é uma espécie única (Eubalaena australis) encontrada em toda a região sul do Hemisfério Sul.
A caça comercial à baleia começou no início de 1800, quase exterminando toda a população da direita do sul entre 1835 e 1845. Mesmo quando a indústria entrou em colapso, foram necessários mais 90 anos até que a proteção oficial fosse fornecida.
Existem agora cerca de 12,000 baleias francas austrais, mas apenas 300 E glacialis e 450 E japonica permanecem. Estas são as baleias mais raras da Terra.
Todas as baleias francas são identificadas pelas suas cabeças colossais, que representam até um terço do comprimento do seu corpo.
Eles são facilmente distinguidos porque não possuem dorso nadadeira, peitoral largo barbatanas, uma boca longa e arqueada que começa acima do olho e pequenas manchas ásperas de pele (calosidades) na cabeça.
Eles têm pele cinza escura ou preta, às vezes com manchas brancas na barriga. Seus dois respiradouros separados produzem um golpe distinto em forma de V.
As baleias francas usam um coador de barbatanas e cerdas em forma de pente para capturar pequenos pedaços de comida enquanto se alimentam.
Como outras baleias, os direitos do sul migram duas vezes por ano. A migração alimentar em Dezembro é para a região rica em krill perto da Convergência Antártica, e a migração reprodutiva em Junho é para águas costeiras temperadas que proporcionam um refúgio calmo para os recém-nascidos.
The two main havens are the Valdés Peninsula in Argentina and South Africa’s west coast. They have well-defined areas for their autumn and summer migrations, on which they travel thousands of miles. They are also often spotted in Australia and New Zealand, and some very small groups can occasionally be seen along the coasts of Brazil, Mozambique, and Madagascar.
Embora possa parecer que os fotógrafos profissionais da vida selvagem conseguem sempre obter aquela “foto de sorte”, o nosso segredo comercial é que o que parece ser sorte é, na verdade, uma combinação de timing ideal, encontros perfeitamente planeados e filmagens nos melhores locais.
Por trás de cada imagem de sucesso estão milhares de quadros invisíveis de fracassos. Quando tentei capturar baleias francas austrais debaixo d'água, dois anos depois, ficou claro que eu precisava selecionar a Argentina, com seus 2000 animais, ou os territórios baleeiros sul-africanos, que se estendem de Doringbaai, ao sul da Cidade do Cabo, até o leste. ao longo do extremo norte até Durban e são visitados por até 4000 baleias por ano – 30% de toda a população. Minha escolha foi óbvia!
Para aumentar nossas chances de boas fotos, organizei dois grupos de atiradores com Rainer durante 16 dias no mar. E para escapar das águas poluídas por esgoto da Cidade do Cabo, optamos por operar na pitoresca cidade litorânea de Hermanus, em Walker Bay, promovida como a capital mundial da observação de baleias!
O criadouro protegido abriga centenas desses majestosos animais, que ali passam até cinco meses por ano. Li que mesmo da costa podíamos observá-los cortejando e amamentando bezerros recém-nascidos. Na minha mente simples, e com tantos elementos do nosso lado, o que poderia dar errado?

COM O PRIMEIRO GRUPO, chegamos a Hermanus em meados de agosto e encontramos o vento rasgando as ondas brancas sobre a face do oceano, mas ficamos entusiasmados ao ver da varanda do nosso apartamento de hotel que as baleias brincavam no mar agitado.
Tínhamos oito dias, então com certeza conseguiríamos sair para brincar entre eles?
No primeiro dia o vento ainda uivava, então passamos o tempo atirando em pinguins africanos. No segundo dia, o vento diminuiu. Lançamos e rapidamente encontramos baleias ao nosso redor na baía adjacente.
Assim que Rainer nos posicionou no caminho das cinco direitas do sul, deslizamos suavemente para dentro da água na expectativa de capturar uma foto perfeita de mãe, filhote, tia, tio e talvez seu novo pretendente também!
Déjà vu. Estávamos de volta em maio de 2015 com a água verde-escura da Cidade do Cabo, mas sem o mau cheiro dos banheiros locais. Porém, todos nós vimos as baleias, ou melhor, pequenas partes de cada baleia.
Nos dias seguintes encontramos água azul limpa, mas sem baleias. Os direitos do Sul obviamente preferem brincar em águas costeiras calmas, sem pensar em satisfazer os desejos de fotógrafos ambiciosos.
Três dias depois, o vento aumentou e levamos nossa dor montanha acima, afogando nossas mágoas nas cerca de 100 vinícolas que cercam Hermanus.
Esfregando sal na ferida, Michael Valos, um colega fotógrafo da nossa primeira tentativa em 2015, estava postando fotos quase perfeitas de direitos do sul, mãe e filhote, bem como baleias acasalando, em águas razoavelmente claras de Puerto Madryn, ao largo de Valdés. Península.
Pela primeira vez, fiquei pasmo. Mais uma vez: hora certa, lugar errado. O que mais poderia dar errado?

O SEGUNDO GRUPO chegou em 24 de agosto para ser saudado pelo maior mar que já atingiu a costa de Hermanus, um cartão postal. O mar colidiu violentamente contra as costas rochosas, produzindo uma terrível espuma semelhante a esgoto. Durou três dias, e no quarto dia lançamos em mares mais calmos e encontramos baleias com facilidade, embora em águas mais escuras e turvas do que antes.
Rainer conquistou a vitória, pois todos puderam ver os direitos do sul debaixo d'água. Alguns de nós voltamos com fotos marginalmente aceitáveis ​​– apenas.
Embora a caça às baleias seja de uma era longínqua, a direita meridional – na verdade, todas as baleias de barbatanas – tirou a palha curta… uma palha de plástico. As baleias de barbatanas estão entre os maiores animais da Terra, gigantes de 12 a 13 metros que se alimentam de algumas das menores criaturas do oceano. Ao filtrar a água através de suas numerosas barbatanas longas, eles consomem toneladas de plâncton, incluindo larvas de crustáceos e copépodes.
Ao engolirem essas criaturas microscópicas, eles engolem toneladas de detritos plásticos. Os pesquisadores acreditam que existem mais de 5.25 trilhões dessas peças no oceano. Mais de quatro mil milhões de microfibras de plástico por quilómetro quadrado poderão ficar presas em mar aberto – morte por plásticos!
The southern right whales on the Valdés Peninsula have suffered the largest mortality event ever recorded for the species. At least 605 whales have died along the Argentine coast since 2003, including 538 newborn calves. The worst year was 2012, with 116 whale deaths, 113 of them calves. This means that a decade from now we’ll see a significant reduction in the number of calves born.

DISCUTINDO AS EVIDÊNCIAS EXISTENTES, especialistas de todo o mundo concluem que as três causas mais prováveis ​​de mortalidade são a desnutrição, as doenças infecciosas e as biotoxinas do plástico.
Os produtos químicos tóxicos tendem a acumular-se nos tecidos adiposos e, como o leite de baleia é uma das substâncias com maior teor de gordura do planeta, as mães baleias inadvertidamente acabam amamentando os seus bebés até à morte com leite contaminado.
A poluição plástica é uma das maiores ameaças para estas baleias e para os nossos ecossistemas oceânicos. Está estrangulando e sufocando animais e alterando a química do oceano, envenenando toda a vida marinha.
Para salvar as baleias como os direitos do sul, devemos reduzir o uso de plástico em todos os aspectos das nossas vidas, especialmente os plásticos descartáveis, e reciclar mais.
Entretanto, a minha história ainda não terminou; Ainda não terminei com as baleias francas do sul. Saiba mais com os vídeos em goo.gl/wzijV3 e goo.gl/9HLFDA

Apareceu no DIVER março de 2018

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x