Tour dos Naufrágios 11: A Salsette

O Naufrágio do Navio Salsette
A Salsete

“O melhor mergulho em naufrágios da Grã-Bretanha” – esse é o transatlântico da P&O Salsete, que fica a 43 m de profundidade na Baía de Lyme. Poucos mergulhadores de naufrágios discordarão dessa classificação máxima, por isso JOHN LIDDIARD faz dele o primeiro navio do ano 2000 a aparecer no Mergulhadoré inimitável Passeio pelos destroços Series. Ilustração de MAX ELLIS

Salsete foi definitivamente o mais difícil Passeio pelos destroços Eu tive que me recompor até agora. Foram necessários mais do que os poucos mergulhos que consegui fazer em 1999. O naufrágio é grande e complicado, com 134m de comprimento, 34m até a amurada de estibordo e 44m até o fundo do mar. Tive que recorrer à ajuda de vários capitães de Weymouth e escolher a inteligência de muitos mergulhadores para preencher os detalhes deste.

Torpedeado por UB-40 em 20 de julho de 1917, o transatlântico P&O Salsete pode ter sido apenas mais um dos muitos naufrágios de guerra na costa sul da Grã-Bretanha, mas desde que foi mergulhado pela primeira vez no início da década de 1970, uma infinidade de vigias e outros acessórios não ferrosos tornaram o Salsete a Meca do mergulho em naufrágios na Costa Sul. Pergunte a qualquer capitão de Weymouth e parece que quase todos os grupos charter querem mergulhar neste.

Você precisa de um mergulho bem longo para ver todos os Salsete de uma só vez. Selecionei uma rota que vai aproximadamente da popa à proa; se você não conseguir administrar tudo, basta começar do outro lado e trabalhar de trás para frente em um mergulho subsequente.

O ponto de partida depende muito de onde o capitão do barco posiciona a linha de tiro. Com digital GPS e cor vídeo sirenes, você pode desafiar o capitão para ver o quão perto ele consegue chegar de um determinado ponto dos destroços.

Começando pela popa, siga em direção à balaustrada de estibordo e siga o casco arredondado até a quilha (1). Ouvi dizer que ainda existe uma hélice, embora eu mesmo não a tenha visto. Presumivelmente, ele está preso ao fuste de bombordo abaixo da quilha, porque o fuste de estibordo está livre. Uma varredura de maré dá uma profundidade máxima de 48m aqui.

De volta ao convés, o canhão de 4.7 polegadas ainda está fixado em seu suporte acima do convés superior (2). Esta é uma das poucas estruturas que sobreviveu acima do convés principal. Outras cabines e superestruturas há muito apodreceram e caíram no fundo do mar.

Indo por baixo do canhão em direção ao fundo do mar, o convés superior desabou parcialmente e se deslocou para estibordo, deixando uma passagem entre os conveses a bombordo (3). A cobertura do convés superior termina por um grande cabrestante (4).

O lado estibordo do casco e do convés desabou (5) para fornecer uma grande cavidade cheia de detritos, embora o buraco do torpedo real esteja mais à frente, em direção às salas das caldeiras, a meio do navio. Com dois conveses de cabines abaixo do convés principal, há uma margem considerável para a penetração dos destroços a partir deste buraco.

De volta ao convés principal, um mastro está caído a bombordo (6), com um guindaste logo abaixo dele. Meu palpite é que a área quebrada dos destroços logo atrás deste mastro era o local de um dos porões.

Um grande buraco retangular no convés (7) está cheio de detritos e tem algumas passarelas de treliça de aço em sua borda, sugerindo que esta já foi uma galeria acima da casa de máquinas. É possível penetrar para a frente a partir daqui, passando por máquinas de grande escala na casa de máquinas e saindo pelo buraco do torpedo a estibordo, abaixo da linha d'água.

Logo à frente estão duas estruturas cilíndricas ao nível do convés, que se pensa serem tanques de água (8). Outro grande buraco cheio de detritos no convés principal contém novamente áreas de passarela de treliça de aço, sugerindo outras áreas de casa de máquinas (9).

A Salsete já ocupou o cobiçado Blue Riband para a travessia mais rápida do Atlântico e está listado como tendo oito cilindros de motor de expansão quádrupla, presumivelmente quatro cilindros para cada eixo, então há uma boa quantidade de máquinas de caldeiras e motores abaixo do convés. Parte do problema de ser preciso aqui é que os planos originais para o Salsete foram deliberadamente destruídos quando as empresas de estaleiros mudaram de mãos há muitos anos.

Sobre a amurada de estibordo nesta região há uma área de escada aberta abaixo do convés principal (10), outra área a ser explorada para penetração nos conveses inferiores.

À frente dos destroços da casa de máquinas, um grande guincho está situado na linha central do navio (11), com outro buraco cheio de detritos para baixar os conveses. Como os buracos próximos são a casa das máquinas e as chaminés, esta poderia ter sido uma escotilha de ventilação. Fotografias do Salsete mostram vários ventiladores acima desta área.

Continuando em frente, o próximo buraco retangular cheio de detritos são os restos da chaminé mais à ré da sala das caldeiras (12). Em cada lado do convés há outro par de cabrestantes. A estibordo falta uma área de placas do casco (13), fornecendo outra rota abaixo do convés.

Seguindo em direção à proa e de volta ao convés principal, o próximo buraco está novamente cheio de detritos, mas tem algumas grades de um lado (14). Poderia ter sido uma escada? O Salsete tinha dois funis e a chaminé do funil dianteiro é o próximo buraco principal, novamente, infelizmente, cheio de detritos (15).

Perto da frente da área da superestrutura, a casa do leme praticamente desapareceu, mas o contorno da estrutura de aço de suporte ainda pode ser encontrado no convés de madeira (16), com uma seção vertical permanecendo no lugar a bombordo.

Na frente da superestrutura há um par de seções recortadas no convés e no casco com uma passarela (17) em frente para o foco. Eles forneceram acesso à retenção direta. O casco se abriu a estibordo (18) onde a proa se inclina ligeiramente em direção ao fundo do mar. No convés acima, um guindaste está localizado em uma base giratória (19), agora apontando para baixo através dos destroços. Logo à frente, faltam mais algumas placas no lado estibordo do casco, dando acesso ao interior.

Estamos agora entre os habituais acessórios de proa, com mais um cabrestante (20) em cada lado do convés, cabeços e travas para amarrar os cabos de amarração. No centro do convés há um enorme guincho de âncora (21). As correntes se estendem para frente e são direcionadas através de canais estreitos até um par de âncoras, presas firmemente em cada lado da proa. (22). Abaixo da proa, o fundo do mar é novamente aprofundado por uma onda de maré até 46m.

Entre as correntes das âncoras está a base de um pequeno guindaste usado para colocar as âncoras. O mastro deste guindaste ainda está em pé (23), subindo para 32m e o ponto mais raso dos destroços. Este é um bom lugar para liberar um SMB atrasado e ascender.

Embora eu tenha descrito o Salsete em uma única rota da popa à proa, serão necessários alguns mergulhos antes que você sinta que realmente conhece esse soberbo naufrágio.

Se tiver uma oportunidade, há muitas partes do Salsete Gostaria de explorar mais detalhadamente e talvez seja por isso que tantos mergulhadores querem voltar sempre. Há tanta coisa para descobrir.

GUIA TURÍSTICO

MARÉS: A água parada ocorre 3 horas após a maré alta de Portland. Nos mergulhos, a maré também cai para um estado de mergulho (mas não totalmente frouxa) 2 horas antes da maré alta em Portland.

CHEGANDO LA: Siga a A37 ou A354 para Dorchester e depois a A354 para Weymouth. Evite a orla marítima e continue pela A354 pelas traseiras do porto. Vire à esquerda pouco antes do corpo de bombeiros. Os barcos passam pela ponte em Weymouth Quay, perto do pub Sailor's Return, ou mais adiante, ao longo da área de paralelepípedos de Old Harbour. Para Portland, continue na A354 passando por Chesil Beach, virando à esquerda para a antiga área do estaleiro quando a estrada começa a subir a colina para Portland.

COMO ENCONTRAR: A posição do Salsete no GPS é 50 29.67N 2 43.07W (graus, minutos e decimais). Não há trânsitos convenientes, então você deve pesquisar com GPS e ecobatímetro.

MERGULHO E AR: De Weymouth – Chefe do Canal, capitão Pat Carlin 01305 787155; Skin Deep, capitão Ian Taylor, 01305 782556; Tiger Lily, capitão Chris Caines, 01305 821177; Old Harbour Dive Center 01305 760888. De Portland – Portland Dive Centre, 01305 820870. Na web, dê uma olhada em DEEP Sea para barcos fretados. Ar, nitrox e trimix estão disponíveis no Old Harbour Dive Centre.

LANÇAMENTO: Os boletos estão disponíveis em Weymouth, Portland, West Bay e Lyme Regis. Taxas de porto e lançamento são pagas.

ALOJAMENTO: A área está repleta de pousadas e pequenos hotéis. Os acampamentos ficam fora da cidade, geralmente muito elegantes e um pouco caros. Entre em contato com informações turísticas de Weymouth, 01305 785747.

Qualificações: Mergulhadores esportivos experientes e preparados para fazer paradas descompressivas. O mergulho com mistura de gás não é obrigatório, mas você não terá muito tempo de fundo sem planejar um mergulho descompressivo e uma rica mistura de nitrox é sempre uma boa ideia para paradas descompressivas.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 3315, Berry Head para Bill de Portland. Mapa de levantamento de artilharia 194, Dorchester, Weymouth e arredores. Mergulho em Dorset, de John e Vicki Hinchcliffe. Naufrágios do Canal da Primeira Guerra Mundial, de Neil Maw. Índice de Naufrágios das Ilhas Britânicas Vol 1, de Richard e Bridget Larn. O guia do mergulhador para a área de Weymouth e Portland, Weymouth e Portland BSAC. Na web, tente Mar PROFUNDO para barcos e serviços de mergulho e o Reading BSAC para informações sobre naufrágios no Salsete. Informações turísticas de Weymouth, 01305 785747.

PROS: Bastante intacto com muito para explorar. Bem servido por barcos e ônibus RIB. Ar e nitrox facilmente disponíveis.

CONTRAS: Água parada essencial. Sua fama tende a atrair mergulhadores que não têm experiência suficiente para mergulhar.

Muito obrigado a Ian Taylor, Pat Carlin, Janine Gould, Chris Caines, Callum Beveridge, Steve Kendall, Alex Poole, Helen Jarratt e muitos membros do Dorset Sub-Aqua Club.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

2 Comentários
Mais votados
Recentes mais velho
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Tapete Phillips
Tapete Phillips
1 ano atrás

Eu mergulhei neste naufrágio quando era jovem, em meados dos anos 80, quando tinha cerca de 15 anos. Tenho 53 anos agora. Lembro-me muito bem deste acidente. Era conhecida como corcunda do pescador e deveria ser evitada a todo custo por perder redes. A visibilidade quando mergulhei, poderia ser descrita como perfeita. Não há necessidade real de tourch. O que mais me impressionou foi o quão bem preservado estava. Mesmo os bancos ainda intactos no passeio lateral, a maioria das vigias ainda estavam no lugar. Encontrei o mais lindo decantador de bebidas espirituosas com motivo do nascer do sol, um dos melhores destroços que já vi.

Marcos Saxby
Marcos Saxby
1 ano atrás

É ótimo ver os Wreck Tours online (de novo?) – Ainda não mergulhei na Salsette – Tentei algumas vezes, mas o tempo estava contra mim. No próximo ano, talvez!

Entre em contato

2
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x