O gigantesco recife de rosas do Taiti surpreende os mergulhadores

'Trabalho de arte'
Mergulhador no recife de coral rosa. CRED: @Alexis.Rosenfeld

Um dos maiores recifes de coral do mundo foi descoberto na costa do Taiti, na Polinésia Francesa. Mergulhadores têm explorado o local, que é composto por corais duros gigantes em forma de rosa, cada um crescendo até 2 metros de diâmetro e em perfeitas condições.

O recife tem cerca de 3 km de comprimento e entre 30 e 60/65 m de largura, mas tais descobertas surpreendentes são sempre possíveis, embora apenas um quinto do fundo do mar tenha sido mapeado até à data, afirmam cientistas da equipa de investigação apoiada pela UNESCO que o localizou.

Veja também: Pristine Seas inicia empreendimento de 5 anos no Pacífico

A enorme extensão do local torna-o uma descoberta altamente valiosa, relatam eles, mas o que o torna ainda mais incomum é que, ao contrário da grande maioria dos recifes de coral conhecidos no mundo, que não ficam a mais de 25 metros de profundidade, o recife do Taiti prospera em profundidades mais sombreadas de 30 metros. -65m.  

“Portanto, esta descoberta sugere que existem muitos outros grandes recifes por aí, a profundidades superiores a 30 m – no que é conhecido como a ‘zona crepuscular’ do oceano – que simplesmente não conhecemos”, afirma a UNESCO. 

A equipa científica realizou até agora cerca de 200 horas de mergulhos para estudar o recife, durante as quais os mergulhadores puderam testemunhar a desova dos corais. Mais mergulhos investigativos estão planejados para os próximos meses, concentrando-se nas espécies marinhas que vivem no recife.

“A Polinésia Francesa sofreu um evento de branqueamento significativo em 2019 – no entanto, este recife não parece ter sido significativamente afetado”, disse a bióloga marinha Dra. Laetitia Hedouin, do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS). “A descoberta deste recife em condições tão primitivas é uma boa notícia e pode inspirar futuras conservações. 

“Acreditamos que os recifes mais profundos podem estar mais bem protegidos do aquecimento global.”

A Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO coordena programas globais, como mapeamento dos oceanos e sistemas de alerta de tsunamis, juntamente com numerosos projetos de investigação científica. A agência é também a guardiã de 232 reservas da biosfera marinha e de 50 sítios marinhos do Património Mundial e, durante a década de 2020, lidera a Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável.

A campanha “1 Oceano”, liderada pelo explorador-fotógrafo Alexis Rosenfeld em parceria com a UNESCO ao longo da década, assistiu a uma série de expedições de investigação a serem realizadas como parte da missão da agência de mapear o oceano. 

“Foi mágico testemunhar lindos e gigantescos corais rosa que se estendem até onde a vista alcança”, comentou Rosenfeld sobre o recife do Taiti que ele tem documentado. “Era como uma obra de arte.”

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x