‘O mergulho que se transformou na minha luta pela vida’

(Paulo Dart)

Obsoleto: A conversão automática de false para array está obsoleta em /home/837581.cloudwaysapps.com/gcahrcedfn/public_html/wp-content/plugins/link-whisper-premium/core/Wpil/Settings.php na linha 3073

O Edema Pulmonar Imersivo (IPO) em mergulhadores é frequentemente referido como se fosse um fenômeno relativamente novo – mas não é. A mergulhadora de Plymouth JANET CHAPMAN compartilhou sua história com Mergulhador revista leitores há 34 anos e aqui está de novo, enquanto ela se lembra do terrível mergulho em naufrágios que quase a matou, e que ela deixou em uma maca transportada por um helicóptero… 

IMG 20240324 160058 946

Na noite de quinta-feira, 15 de junho de 1989, organizei um mergulho para membros do nosso Plymouth Sound BSAC do mv Maureen fora de Dartmouth. Foi quase a última coisa que fiz.

Éramos 14 a bordo, quase todos mergulhadores experientes em naufrágios. A única exceção foi Dave, recém-qualificado como mergulhador esportivo, mas muito competente e confiante na água após anos navegando.

Para evitar discussões, decidi mergulhar pessoalmente com Dave. Foi uma noite perfeita, calma e o mar parecia veludo. Deveríamos mergulhar nos destroços do Greatham, um grande navio a vapor a cerca de seis quilômetros do porto. Enquanto saíamos, houve as brincadeiras de sempre. Você poderia dizer que éramos todos amigos pelo número de insultos circulando.

Nós seis da primeira onda começamos a nos preparar enquanto os outros se afastavam para ajudar a brincar com os “brinquedos” na casa do leme. Logo estávamos no local e o tiro foi colocado; 42m até o naufrágio. Havia tão pouca corrente que as duas bóias da linha de tiro balançavam suavemente juntas, com as linhas cedendo entre elas. Mal podia esperar para entrar na água.

Estava escuro descendo a linha, é claro. Liguei minha lanterna e nadei o mais rápido que pude, sabendo que Dave estava logo atrás. Ao chegar ao loop, que havíamos feito anteriormente, prendi um carretel de distância e deixei cair os últimos metros até o convés. A visibilidade era de cerca de 10m. 

Depois de verificar se Dave estava bem, comecei a guiar lentamente ao longo dos destroços. Todas as superfícies estavam cobertas de vida: enormes e pegajosas anêmonas plumosas, pedaços de dedos de homens mortos, estrelas de penas multicoloridas e pequenas anêmonas brancas. 

Inspecionamos uma pequena escada completamente enfeitada de branco e depois espiamos por uma escotilha aberta, mas não havia nenhuma guloseima lá embaixo. A seção seguinte tinha um pedaço de grade do convés um tanto frágil, milagrosamente intacto e agora o lar de milhões de animais. Que belo mergulho! Eu estava me divertindo.

De repente, Dave estava me dando um sinal de “algo errado”. Já foi narcotizado e com apenas alguns minutos de mergulho? Relutantemente, concordei em me virar. Mal tínhamos viajado mais de 15m ou mais. Quase imediatamente ele ficou preso pela perna. 

(Paulo Dart)

Marca preta

Foram necessários sinais grandes e claros de “OK” e “Eu farei isso”. A faca de Dave estava presa por um cabo telefônico (uma marca preta para mim por não ter notado isso antes). Ele havia caído da bainha e o cabo estava enrolado na grade do convés.

Felizmente, levei apenas alguns segundos para libertá-lo, mas quando olhei para cima para dar um sinal de “OK” a Dave, a expressão em seu rosto fez meu coração disparar. O homem estava perto do pânico. De repente, não era mais divertido! Estávamos em um ambiente profundo, escuro e estranho, e teríamos sorte se saíssemos vivos. Reagi com a maior calma e confiança que pude: 'você'... 'eu'... 'para cima'... 'mantenha a linha'.

Quando comecei a descer, comecei a ofegar um pouco. Nada de incomum nisso, não é preciso muito esforço para me deixar sem fôlego. Mas não havia corrente e não era muito longe para nadar. Comecei a duvidar que conseguiria voltar à linha de tiro. 

Clarão! À minha esquerda, um estroboscópio disparou e duas correntes de bolhas tranquilas dirigiram-se preguiçosamente para a superfície. Paul e Mike estavam lá embaixo, a poucos metros de distância, mas naquele outro mundo onde tudo ainda estava bem. 

Bombeei ar extra em meu traje para obter flutuabilidade positiva. Se eu subisse e me aproximasse rapidamente, alcançaria a linha de tiro perto de onde nos prendemos e certamente me sentiria melhor quando tivesse a corda resistente para me segurar. 

Com certeza, chegamos à cena logo acima do loop. Agarrei-me, tentando em vão recuperar o fôlego, enquanto Dave soltava. Eu não queria contar a ele que estava com problemas; ele já tinha problemas suficientes.

(Paulo Dart)

Poço íngreme

Começamos a subir. Eu me esforcei para manter a taxa em algo razoável, quando tudo que eu queria era dar o fora dali o mais rápido possível. Tudo ficaria bem às 6h.

Chegamos aos 6m e nem tudo estava bem. Eu verifiquei meu computador e fiquei horrorizado ao ver que ele estava me dizendo para descomprimir. Ajuda! Eu mal conseguia respirar. 

Tente não entrar em pânico. Sinalizei para Dave fazer uma parada. Senti que estava em um poço íngreme e percebi que iria morrer. Meu único arrependimento foi não ter feito um testamento, como pretendia fazer há meses.

Não aguentei mais e resolvi perder as paradas. Melhor estar curvado na superfície do que se afogar aos 6m. Naquele exato momento, o computador limpo. Obrigado Senhor! Sinalizei para Dave 'subir' e fui para a superfície em menos do que os 60 segundos recomendados.

Foi bom estar de volta ao ar. Enchi meu traje e dei um único aceno de sinal de emergência. Não sei até hoje por que não continuei acenando. Será que eu era incapaz de mais, desejava não fazer barulho, achava que logo ficaria bem ou seria a confiança de que uma vez bastava? 

Logo Dave estava ao meu lado. Eu o senti segurar com firmeza, inflar minha vida.jaqueta e acene vigorosamente. "Vamos! Vamos!" O barco virou lentamente em nossa direção. Eu desmaiei.

(Paulo Dart)

Sinal de Emergência

Enquanto isso, de volta à ponte de Maureen, Andy estava conversando preguiçosamente com o capitão Mike Rowley. Ninguém era esperado ainda. De repente: “Isso é um sinal de emergência!”

"Onde?"

Mas Andy já estava indo até a popa, erguendo seu peso de 17 pedras sobre a amurada do convés e baixando os 2 m para onde ele esperava que o inflável ainda estivesse! 

Enquanto ele ligava o motor desconhecido, Roger apareceu ao lado dele e eles logo estavam acelerando para onde Dave estava apoiando meu corpo inconsciente e gritando desesperadamente para que eu continuasse respirando. Pobre Dave! Ele estivera apreensivo o tempo todo e agora se perguntava o que havia feito de errado, quando na verdade havia se comportado de maneira admirável.

De alguma forma, os três conseguiram retirar meu kit, me colocar no barco e correr de volta para Maureen, deixando Dave nadando. A bordo, Bob organizou todos. Aparentemente foi um grande esforço me puxar escada acima, mas consegui rapidamente usando uma corda e todas as mãos. 

Eu já tinha parado de respirar a essa altura. Eu estava completamente azul e parecendo bastante desesperado. Felizmente, quando estava deitado no convés, comecei a respirar novamente e Bob conseguiu me dar oxigênio. Mike comunicou-se por rádio com a Guarda Costeira. Cinco minutos se passaram.

(Paulo Dart)

Luta para respirar

Quando voltei a mim, foi como se não tivesse havido intervalo. Imediatamente eu soube onde estava. A luta para respirar foi exatamente a mesma. Tudo o que pude fazer foi concentrar-me numa respiração de cada vez, incapaz de respirar, sabendo que tinha de respirar, lutando para respirar, engasgado, ofegante, quase desejando morrer para apressar o fim da agonia.

Os rostos dos meus amigos entravam e saíam de foco. Alguém estava segurando cada uma das minhas mãos. Isso ajudou muito. Agarrei-me com força.

Eu estava agarrado à própria vida. Fiquei convencido de que não deveria ceder, mas sim fazer um esforço para virar do meu lado. Minhas tentativas de me colocar em coma causaram problemas extras para meus socorristas. “O helicóptero estará aqui em 10 minutos.” 

Dez minutos! Eu não acreditava que conseguiria aguentar tanto tempo.

“Não consigo respirar.” Achei necessário continuar dizendo isso a eles, embora deva ser óbvio. Mas logo foi verdade. A pressão do oxigênio havia caído demais para que eu pudesse operar a válvula de demanda, embora o cilindro ainda estivesse um quarto cheio.

Lutei contra a máscara. Bob praguejou enquanto os outros corriam para trocar o cilindro.

Finalmente o helicóptero chegou. Eu voltei para o Maureen desde então, e fiquei surpreso com a estreita aproximação entre mastros, antenas e fios. A tripulação fez um excelente trabalho para me pegar lá. Eles me amarraram em uma maca igual à do manual de resgate. 

Uma vez eu vi uma vítima ser içada em um helicóptero e parecia horrível. Eu estava um pouco apreensivo, mas não precisava estar. Estava tudo bem. Não senti como se estivesse me movendo, apenas o helicóptero se aproximando.

Então escureceu e eu estava lá dentro. Sempre quis andar de helicóptero. Aqui estava eu ​​realizando meu desejo, e não estava em condições de aproveitá-lo. Dave foi içado ao meu lado e partimos para Bovisand. Eu me senti muito sozinho. 

Logo eu estava na luz e o helicóptero estava se afastando. Devemos ter chegado. Rostos aglomeravam-se no muro do porto, olhando fixamente. A corrente de ar descendente das pás do rotor atingiu meu rosto e, por alguns felizes segundos, tive ar suficiente para respirar.

(Paulo Dart)

Roupa seca cortada

"Olá!" O Dr. Maurice Cross estava ao meu lado. Consegui responder sem fôlego, então estávamos correndo em direção ao Centro de Pesquisa de Doenças de Mergulho (DDRC). Eu deveria me sentir bem em breve, quando estivesse no pote. 

Havia cerca de uma dúzia de pessoas no centro. Muitos! Tudo acabou só para mim. Um exame rápido, um aceno de cabeça e dois pares de tesouras foram produzidos. Meu roupa seca foi cortado de mim. Mais exames, então ouvi 'MI' (infarto do miocárdio) murmurado. "Cristo! Eles acham que tive um ataque cardíaco.”

Agulhas grandes foram cravadas nas veias de meus dois braços. Eu estava muito angustiado para me importar. Então Maurice explicou que eu tinha líquido nos pulmões e que ele havia me dado um diurético para transferir o líquido para a bexiga. Ele me acompanharia ao hospital local. 

Quando a ambulância chegou, as injeções começaram a fazer efeito. Na viagem, tudo o que consegui em termos de conversa inteligente foi “Preciso de um banheiro!” Tive que esperar até chegarmos ao hospital para pegar uma arrastadeira.

Outra multidão me esperava no Casualty: carregadores, enfermeiras, radiologistas, médicos, mergulhadores, todos prontos para ajudar. Eles me sentaram para fazer o raio-X e dei uma olhada na hora – 10 horas. Tão tarde! O incidente aconteceu por volta das 7h30. Eu consegui continuar por mais de duas horas. Talvez eu não fosse morrer, afinal. 

Pouco depois disso, consegui começar a respirar pelo nariz. Minha boca, agora que podia fechá-la, estava forrada com papelão ondulado. 

A radiografia confirmou o diagnóstico de edema pulmonar. Aproximadamente 2.5 litros de líquido vazaram da minha circulação para os pulmões. Agora era certo que eu não precisaria ser recomprimido. 

(Paulo Dart)

Cuidados Intensivos

Passei a noite na UTI. Eu estava tomando oxigênio o tempo todo, como sempre estive desde o início. Também tinha soro, cateter urinário, monitor cardíaco e uma enfermeira para verificar minha pressão arterial de hora em hora. Eu estava apoiado em dezenas de travesseiros e cochilava intermitentemente. O velho do lado oposto continuava caindo da cama. Na manhã seguinte eu estava mais ou menos de volta ao normal, apenas exausto.

Naquela sexta-feira fiz exames médicos extensos: ECG, ecocardiograma, raios X, tomografia cardíaca, exames de sangue. Todos estavam normais. Também recebi dezenas de visitantes, telefonemas, cartões, presentes e consultas da imprensa.

Voltei para casa no sábado. Investigações posteriores não revelaram nenhuma anormalidade significativa que explicasse satisfatoriamente por que desenvolvi esta condição rara. 

Eu sei que tive muita sorte. Houve tantos elos na cadeia de eventos que salvaram minha vida. Se não fosse a minha própria experiência, o apoio do meu companheiro, a acção rápida e eficaz dos meus amigos, a disponibilidade do kit de oxigénio e o conhecimento de como utilizá-lo, a resposta rápida e eficiente dos serviços de resgate e do especialista atenção médica que recebi no DDRC e no Derriford Hospital, não estaria aqui hoje para escrever este artigo.

Tentei agradecer a Andy pelo papel que desempenhou no resgate. Ele encolheu os ombros. “Você teria feito o mesmo por mim, não é?” Espero que sim, Andy, espero que sim.

O Dr. Peter Wilmshurst, que descreveu a condição pela primeira vez no início dos anos 80, escreveu na época: O edema pulmonar induzido por mergulho é uma condição incomum, mas potencialmente fatal, que pode ocorrer sem aviso prévio. Parece que a vasoconstrição excessiva dos vasos sanguíneos em alguns indivíduos causa contrapressão no coração esquerdo e, portanto, nas veias pulmonares.

A alta pressão venosa pulmonar força o fluido a sair dos capilares pulmonares para os alvéolos. Os efeitos são semelhantes ao afogamento. O tratamento de primeiros socorros consiste na administração de oxigênio.

(Este artigo apareceu pela primeira vez em Diver revista, outubro de 1990. Original foto: Paul Dart)

Também na Divernet: Sobrevivendo ao IPO: a perspectiva de um mergulhador, A hidratação é vital, claro – mas eis por que exagerar é arriscado, O caso do nadador sem fôlego aumenta a conscientização sobre o IPO, Bandeiras vermelhas para praticantes de snorkel: como impedir as mortes silenciosas

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x